título

Estudantes angolanos na Itália clamam por mais apoio

Representantes das associações de estudantes em Itália apelaram, nesta segunda-feira, à revisão ou isenção de pagamento de emolumentos cobrados pelos serviços consulares.

O pedido foi feito durante um debate por vídeo conferência sob o lema  “A educação como instrumento de elevação patriótica”, por ocasião do Dia de África, no qual apresentaram algumas preocupações dos estudantes que, na sua generalidade, enfrentam dificuldades de vária ordem.

 

Os estudantes solicitaram mais apoio das autoridades angolanas, para minorar  as suas dificuldades, agravadas com a Covid-19, afirmando terem passado por situações humilhantes para não sucumbirem.

 

Durante o evento, os bolseiros manifestaram , igualmente, a necessidade da intervenção da Embaixada de Angola em Itália para o regresso ao país de alguns estudantes finalistas, tão logo sejam abertas as fronteiras.

 

Já a embaixadora Fátima Jardim disse que esforços estão a ser feitos para aligeirar a situação.

 

“Temos de encontrar soluções abrangentes e não isoladas”, afirmou Fátima Jardim,  insistindo na necessidade do diálogo aberto, privilegiando, cada vez mais, nos tempos que correm, as plataformas digitais.

 

A diplomata assegurou aos estudantes  tudo fazer junto das autoridades competentes, uma vez identificados os principais problemas.

 

Ficou evidenciado o compromisso de colaboração  com a embaixada, não apenas em tempos de emergência, mas também em situações normais, através do diálogo transparente, inclusivo  e permanente, no quadro da cidadania participativa.

 

Na vídeo conferência, que contou com a participação do poeta e pesquisador social Carlos Pedro, foram apresentados alguns documentos informativos (Lei de Base das Associações, Regulamento das Bolsas de Estudo e Normas Reguladoras do Subsistema do Ensino Superior).

 

SAPO/Angop

26.05.2020