título

ITA implementa estágio curricular

O Instituto Técnico Agrário (ITA) do Huambo vai, a partir deste ano, implementar os estágios pós-curriculares para os estudantes finalistas, para que estejam melhores preparados para enfrentar o mercado de emprego.

A informação foi avançada hoje, segunda-feira, pelo director do ITA, António Joaquim Sapalo, quando discursava na abertura da I jornada pedagógica da instuição, tendo explicado que os estágios serão efectuados em empresas ligadas ao sector, muitas foram da província do Huambo.

 

"O estudante depois de concluir o plano curricular na 12ª classe, não vai logo escrever o seu trabalho de fim de curso, como ocorria até então. Tem de ir ao terreno, exercitar, colocar em prática tudo aquilo que aprendeu e só depois poderá fazer a defesa do seu relatório baseado em factos reais constatados ao longo do período de estágio, que poderá durar entre seis a nove meses", adiantou.

 

Para o responsável, o estágio curricular vai permitir a redefinição do perfil necessário da formação de quadros para se adequar às necessidades do sector.

 

Segundo fez saber, o perfil de saída dos quadros formados pela instituição já não se adequada à realidade actual, por ter sido estruturado há mais de 10 anos, necessitando, por isso, da sua actualização, de acordo com às novas exigências.

 

Quanto às dificuldades, apontou a falta de meios, como tractores e demais equipamentos técnicos, para reforçar a actividade prática.

 

Na oportunidade, o responsável informou que para 2019 foram admitidos 350 novos alunos, sendo 310 para os cursos médios de produção vegetal, animal, gestão agrícola e agroalimentar e 40 para o curso básico de auxiliar de mecanização.

 

Ao todo avançou que a instituição, com 18 salas de aulas, tem matriculado 1140 alunos, destes 192 em regime de internado que poderão ser instalados em 42 dormitórios.

 

Existente desde 1978, o Instituto Técnico Agrário, anteriormente designado por Instituto Médio Agrário, é uma instituição vocacionada a formação e quadros para o sector agropecuário e outros afins.

 

Para além da comunidade académica do Huambo, a mesma é igualmente procurada por jovens de outros pontos do país.

 

SAPO/Angop

29.01.2019