título

Universitários com deficiência marcham sábado contra inacessibilidade nos transportes públicos

A Associação Nacional de Estudantes Universitários com Deficiência (ANEUD) em Angola promove sábado uma marcha em Luanda com o propósito de manifestar "descontentamento" diante dos "constantes atropelos" da Lei das Acessibilidades nos transportes públicos.

Em declarações hoje à agência Lusa, o presidente da Associação, Micael Daniel, disse que os autocarros de transportes públicos disponibilizados pelo Estado angolano não obedecem aos padrões exigidos para que um passageiro com deficiência tenha acesso.

"O objetivo da marcha é apelar ao Executivo angolano, concretamente ao ministério dos Transportes, sobre o incumprimento da Lei das Acessibilidades aprovada em 2016, porque aumentam as denúncias dos nossos associados sobre as dificuldades diárias de acesso", disse.

De acordo com o presidente da ANEUD, organização que congrega cerca de 5.500 membros de todo o país, as dificuldades de acessibilidade são igualmente registadas nas operadoras privadas, como os serviços de táxi personalizados, "que também não têm os padrões exigidos".

Micael Daniel observou que os estudantes universitários com deficiência têm passado muitas horas na paragem à espera de um táxi que os possa transportar até à faculdade.

Segundo a organização, a marcha pela acessibilidade dos passageiros com deficiência nos transportes públicos foi já comunicada às autoridades da capital angolana, estando a concentração prevista para as 10:00 locais (mesma hora em Portugal), no Largo do Cemitério da Santa Ana.

 

Lusa|05.10.2018